Boa notícia - samira menezes

Empatia: estilo que nunca sai de moda

Detesto rivalidades gastronômicas do tipo “eu não como carne, portanto sou melhor do que você, seu comedor de cadáveres” ou “eu como carne, portanto não sou esquisito como você, seu...

67

07/10/2015 às 14:40
Por Redação

Detesto rivalidades gastronômicas do tipo “eu não como carne, portanto sou melhor do que você, seu comedor de cadáveres” ou “eu como carne, portanto não sou esquisito como você, seu comedor de alface”. Do meu ponto de vista, não é correto comer produtos de origem animal, mas também acho feio sair por aí brigando com pessoas que não seguem a minha filosofia de vida. Por mais que eu demonstre minha aversão a esse tipo de coisa, vira e mexe aparece alguém disposto a engatar uma discussão sobre o assunto.

A última delas começou com uma pessoa que soltou o clichê “tanta gente sofrendo e você vai proteger animal?”. Fiz de conta que essa pergunta (provocação?) é nova e me dispus a dar uma explicação. Sim, pessoa, vou proteger animal porque 1-uma coisa não exclui a outra, ou seja, eu posso ajudar animais humanos e não-humanos ao mesmo tempo; e 2-se eu for esperar pela paz mundial entre as pessoas para só então começar a pensar no sofrimento dos animais, nunca vou fazer nada por eles.

A questão que essa pessoa e, talvez, muitos vegetarianos perdem não é quem recebe ou não ajuda, mas sim de que maneira o nosso consumo afeta a sociedade. E aqui sim eu peco, se era de um pecado que estávamos à procura.

Ok, sou vegetariana, o que significa que deixei de financiar as mais poluidoras das indústrias – as das carnes, ovos e laticínios, que, segundo o Departamento de Agricultura das Nações Unidas (FAO), poluem mais o meio ambiente do que todos os meios de transporte juntos. Por outro lado, comprei algumas das minhas roupas em redes de magazine como Zara, Pinkie e H&M, que não causam a destruição que a pecuária tem causado na Amazônia, mas exploram muita mão-de-obra ao redor do mundo.

Tenho uma ideia do que acontece com quem confecciona roupa para essas lojas, porque li a respeito. Mas, ainda assim, muitas vezes escolho comprar nessas lojas porque o preço é conveniente, como a calça jeans feita no Marrocos, pela qual paguei 19 Euros, e a camiseta confeccionada em Bangladesh vendida por 4 Euros, em Milão. Outras vezes compro em brechó, onde encontro peças bonitas e exclusivas, ou até mesmo na feira de rua, onde já comprei camisa de linho, pijama de flanela, echarpes, bolsa, colar e por aí vai. Olá, consumismo desenfreado.

O fato de eu ter roupa confeccionada a partir da exploração de algum trabalhador asiático, latino ou árabe, ficou martelando ainda mais na minha cabeça depois que vi, no Youtube, o volume 1 de Human, um emocionante documentário dirigido pelo francês Yann Arthus-Bertrand.

Com legenda em português, o filme traz diversos depoimentos de mulheres, homens, adolescentes, ladrões, assassinos, trabalhadores, artistas e personalidades de diferentes nacionalidades. Cada uma dessas pessoas fala um pouco sobre um tema diferente, como amor, família, trabalho, pobreza, guerra, perdão, homossexualidade, vida após a morte, entre outros.

Além das narrativas, o interessante desse documentário é que mesmo sem trilha sonora, que normalmente ajuda a dar aquela dramatizada básica numa cena, foi impossível segurar as lágrimas durante o filme. Em alguns casos, bastou eu prestar atenção no olhar de algumas dessas pessoas para me emocionar.

Como o depoimento de um trabalhador de Bangladesh que diz: “Sou um operário bengali da indústria têxtil. Me revolto quando um comprador vem visitar o proprietário da fábrica ou a equipe de marketing para negociar o preço de um pedido. Quando outros países baixam os preços, nosso comprador escolhe o mais barato. Ele deveria pensar: ‘Se Bangladesh me fornece roupas de qualidade, por que não pagar um preço justo?’. Mas sempre fomos desprezados. Por todo o mundo. Não por uma pessoa específica. É o consumidor final quem me rouba. E o que eu posso fazer? Como podemos ficar felizes? Como!?”

Ou como o relado da trabalhadora chinesa, que tem os olhos cheios de lágrimas enquanto conta que “muita coisa é proibida na fábrica: é proibido falar, é proibido atender o telefone. Para ir ao banheiro, temos de pedir autorização ao gerente. E é uma pessoa de cada vez. Em relação à produtividade, eles exigem muito. Temos uma cota horária que eles verificam. Se não atingimos a cota, reclamam e muitas vezes nos insultam. É insuportável. A pressão é constante. Estou exausta. Não aguento mais, mas não tenho outra escolha”.

Ao contrário dessa moça chinesa, que me comoveu pra caramba, eu tenho escolha. Posso escolher não financiar mais esse tipo de exploração e comprar roupas e acessórios de pequenas empresas ou de artesãos locais. Ontem, pesquisando no Instagram as hashtags #modasustentavel e #modasostenibile (em italiano), encontrei diversas marcas e propostas para resolver minha angústia em relação à maneira como esses trabalhadores são tratados.

Se agora você está se perguntando o que essas pessoas fariam sem esse trabalho, te digo que me perguntei a mesma coisa e não cheguei a conclusão nenhuma. Mas fiquei pensando: vale a pena trabalhar nessas condições? Se existe lei de demanda e oferta, por que a demanda não pode ser por produtos socialmente justos e responsáveis? Pegue o exemplo de grandes redes de fast food, como o McDonalds, que está revendo seu cardápio depois de perder um grande número de clientes para lanchonetes com opções de lanches mais saudáveis.

Como consumidor, a gente só precisa escolher pra que tipo de empresa vamos dar o nosso dinheiro porque a lei do mercado é simples: quando tem muita gente querendo uma coisa, os empresários vão dar um jeito de atender ao pedido.

Se você se interessou por Human e quer assisti-lo ou revê-lo com legenda em português, veja abaixo:

Gostou? Colabore com a ANDA Saiba como